Meu Sol!

Minha vida é uma evidência anedótica, uma falha lógica cheia de indicações casuais. Descrita por observadores – diria Freud – através de chistes tendenciosos. Sou uma ironia para os bárbaros que transgridem amoral e violentamente o verdadeiro significado do cinismo. E que como Diógenes, apenas desejo que estas pessoas se afastem do meu Sol.