Parecia evidente

Penso nela como o dia o amanhã, da têmpora queima a febre estes desejos à agonia, com a certeza que a amaria salvo-guardo as exceções.

Admiro-a no vazio do olhar sujeito a perdição, d’alma os grilhões deste não-amor, a ânsia de ser e não poder estar.

Angustia que vivifica a dor e alimenta da esperança o abandono ao que a ela sobremaneira já pertence.